sábado, 7 de julho de 2007

Um dia acorda e toma coragem Coragem para procurar o que sempre desejou Chega uma hora que suas fantasias querem se tornar realidade Um dia encontra alguém com quem tudo se torna vivo Alguém que tem a cara de com quem você sempre sonhou Todo o vazio some O tempo não demora tanto a passar O silencio não dói como antes A espera é plausível Poder sorrir por ele existir Chorar talvez por angustia Chorar talvez por insegurança As lagrimas são boas Uma euforia que me deixa calma Nada de desespero A minha admiração cresce A minha vontade de sentir ele dentro de mim A ponto de me fazer gozar Tenho vontade de sentir dor Tenho vontade de sentir carinho Tenho vontade de sentir seu corpo A cada minuto a vontade aumenta Tudo parece fazer sentido Sou dele Sou Sub Ao meu Senhor!

sexta-feira, 6 de julho de 2007

Tenho Tanto Sentimento

Tenho tanto sentimento Que é freqüente persuadir-me De que sou sentimental, Mas reconheço, ao medir-me, Que tudo isso é pensamento, Que não senti afinal. Temos, todos que vivemos, Uma vida que é vivida E outra vida que é pensada, E a única vida que temos É essa que é dividida Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é a verdadeira E qual errada, ninguém Nos saberá explicar; E vivemos de maneira Que a vida que a gente tem

Fernando Pessoa

quinta-feira, 5 de julho de 2007

quarta-feira, 4 de julho de 2007

Eu resisto a invasão que faz a minha alma, me armo.... preparo barricadas de razões. Que são derrubadas uma a uma. Eu renego a corda que me mantém cativa. Procuro os nós...pacientemente os desfaço. Até saber que o caminho que trilhei sozinha foi apenas por Sua permissão Eu me renovo Eu me preparo para nova caminhada. Enfeito a vida para a liberdade. Eu racionalizo....percebo.. analiso todas as razões para libertar-me Percebi que te amo, enquanto tu dormias Desejava seus beijos, seu toque. Toquei-me, enquanto tu dormias.. Pensando ser talvez o toque teu. E por fim.. Reguei tua alma com o líquido do meu amor..

terça-feira, 3 de julho de 2007

Clamo-te com meus gemidos Minha voz morre no peito oprimido. Pelo vigor de tuas mãos Rendendo-me a alma abatida Inocente ainda são os meus sentidos. Meus medos ainda tão presentes Na busca de minha alma torturada Desconhecendo as respostas da tua boca. Desnudo meu corpo e a ti me entrego plenamente Atada, impotente ante teus desejos a mercê de teu oficio. O corpo traduz mil desejos. Teus olhos me dominam. E neles pressinto tua ferocidade Desperto teus instintos Gritando teu nome a cada gemido. Imploro pelo meu SENHOR!!!
Esta será nossa cama, alma, segredos desejos, sonhos, pacto prazer...

segunda-feira, 2 de julho de 2007

Pacto de Almas

Ah! para sempre! para sempre! Agora não nos separaremos nem um dia... Nunca mais, nunca mais, nesta harmonia das nossas almas de divina aurora.

A voz do céu pode vibrar sonora ou do Inferno a sinistra sinfonia, que num fundo de astral melancolia minha alma com a tua alma goza e chora.

Para sempre está feito o augusto pacto! Cegos serenos do celeste tato, do Sonho envoltos na estrelada rede,

E perdidas, perdidas no Infinito as nossas almas, no clarão bendito, hão de enfim saciar toda esta sede ...

É livres, livres desta vã matéria, longe, nos claros astros peregrinos que havemos de encontrar os dons divinos e a grande paz, a grande paz sidérea.

Cá nesta humana e trágica miséria, nestes surdos abismos assassinos teremos de colher de atros destinos a flor apodrecida e deletéria.

O baixo mundo que troveja e brama só nos mostra a caveira e só a lama, ah! só a lama e movimentos lassos...

Mas as almas irmãs, almas perfeitas, hão de trocar, nas Regiões eleitas, largos, profundos, imortais abraços! Alma das almas, minha irmã gloriosa, divina irradiação do Sentimento, quando estarás no azul Deslumbrarnento, perto de mim, na grande Paz radiosa?!

Tu que és a lua da Mansão de rosa da Graça e do supremo Encantamento, o círio astral do augusto Pensamento velando eternamente a Fé chorosa;

Alma das almas, meu consolo amigo, seio celeste, sacrossanto abrigo, serena e constelada imensidade;

entre os teus beijos de etereal carícia, sorrindo e soluçando de delícia, quando te abraçarei na Eternidade?! Cruz e Sousa

domingo, 1 de julho de 2007

Na agonia da dor, joelhos se dobram, olhos imploram, boca se abre, mas não lamenta, apenas implora por uma punição maior que satisfaça os desejos de SEU DONO. nada a lamentar, apenas servir e se comportar como uma escrava submissa, obediente, inerte em seus pensamentos e voltada apenas para amar e adorar aquele que a castiga, fustiga, sem piedade, o corpo que lhe pertence, a mente que se entrega, o coração que se abre, a alma que se alimenta da própria dor.
Tira tudo. Já.” ele manda e ela, sem pestanejar, obedece. ela se despe: a calça, os sapatos, a blusa. a calcinha fica, como última provocação. “eu mandei tirar tudo.” nem um olhar dele, mas ela geme de prazer por ser mandada e tira a calcinha preguiçosamente, um prazer crescente a consome a cada momento. “eu quero te ver gozar, putinha”, ele diz sem desviar os olhos . as costas, a bunda, suas pernas sentem-se acariciadas mas ela é obediente e abre as pernas sentindo o vento frio; toca-se de leve com as duas mãos, sussurra coisas, palavras abafadas para si mesma, perde-se no prazer misto de explorar seu corpo acompanhada de ordens e olhares furtivos. seu cheiro invade as mãos ela sente calor. ele a fareja e sua mão direita procura pelas mãos dela, os dedos mergulham na pele, calor, umidade; ele lambe os dedos e ela sente mais que vê o desejo e instinto. de olhos fechados, ela esquece do frio e do calor, do medo, concentra-se nas ordens, nos dedos, no olhar dele. derrama-se pelo banco, pede pra gozar, por favor, e ele sorri. “goza pra mim. agora.” Ela se dissolve em dedos e ais, no cheiro da noite e dela, no desejo dele e, exausta, pede mais.
Um verdadeiro amor não estará atrás de você, mas ao seu lado, pra não dizer que muitas vezes estará na sua frente para receber os primeiros golpes!

(Autor Desconhecido)

Toque-me Bata-me Faça -me de Teu brinquedo Dê-me o prazer que outros me negariam Revele minha alma Rasgue minha carne

Faça-me chorar

Faça-me implorar Deixe-me gritar Teu nome Faça-me sangrar e me tome pra Si

Pequena perfeita

Eu adoro os vincos de sua máscara O quarto derrete para você O frio faz o azul do mundo

O blush de sua cara

A põe em seu lugar

Como seu sentimento-inexistente- Gotejante no assoalho

Quando o embaraço

Nunca mais o marcar

Quando a madrugada vem e o Vento sopra a pele em poesia desabrocha dizendo nua os versos de arrepios. E se o Vento sopra sussurrante como uma brisa morna estremecendo os pêlos a Pele, que é poesia, mergulha em desvarios e canta para a lua seus versos de delírios e espera suplicante o toque redentor. até que o vento, em sopros de amor se deita sobre a Pele e suas mãos segura. então a Pele, agora em loucura sente os cabelos longos do Vento lhe fazerem cócegas; ouve os sussurros do Ven,to em suas costas sente sobre si o peso do desejo quando a madrugada vem e o Vento sopra a Pele em poesia desabrocha e a vida inteira fica diferente.
A metade Sinto tantos desejos estranhos quando te vejo tão sensual olhar no fundo de teus olhos e te fazer feliz de modo sem igual.... acariciar-te por inteira dizer-te bobagens ao ouvido deitar-te numa esteira e me sentir totalmente envolvido... Pois teu cheiro me desperta o olfato... tua voz me comanda de forma aberta... quando sinto a tua pele macia, de fato... é como ter achado a metade que me completa..
Ela Ela e uma mistura de pureza e perversão; Ela faz de sua submissão, seu prazer; Ela aparenta timidez, mas não teme nada; Ela anda em seu salto alto, mas flutua em seus sonhos; Ela geme ao golpe, mas internamente ri em seu prazer; Ela se ajoelha aos pés de seu mestre, saboreando o que estar pôr vir; Ela anda de quatro, como uma pantera sendo conduzida na coleira; Ela aparenta ser quieta, mas não para mais ao entrar em sua fantasia; Ela parece ser linda, mais linda é na pele de escrava dócil e, submissa; Ela diz não saber de nada, mas nem imagina a sabedoria de seus sonhos; Ela pronta a ser dominada, mas já dominou sonhos e corações alheios; Ela é magnificamente ela.
Quero você Quero você minha menina... que fica a olhar com seu olhar maroto... tocar em sua face... Fazer carinho... beijar... dar aconchego... carinho e desejo... Simplesmente amar... simplesmente toca-la... fazer-te feliz... sentir teu cheiro ao deitar em nossa cama... lembrar dos momentos vividos.. inesquecíveis... Quero... quero libertar sua alma... cativar sua vida... preencher seu coração... te encher de emoção... quero... beijar seu ventre... te encher de desejos... e, assim te amar... Simplesmente amar... te quero... minha menina... princesa ... minha mulher...
Anoitecer Movendo nas ondas do teu corpo Mãos que se apegam roubando gemidos Como luzes que do sol despregam Indo à lua dar para refletir desejos Desejos selvagens, sem estórias Daqueles que o ar segreda ser só nosso Cheiro teu, que sorvo na saliva, no teu sabor Nos gestos que desenho em ti enlouquecido E que escorrem secretos, meus e de mais ninguém Pelas surpresas da tua feminilidade
QUERIA EU DOMINA-LA AGORA, PROPORCIONANDO-LHE UM PRAZER INIGUALÁVEL, DOMINA-LA ATÉ DEIXAR-LA SEM FORÇAS, DOMINA-LA PARA TE AMAR, AMA-LA EM MOVIMENTOS LENTOS E FORTES, AMA-LA EM SUSPIROS E SUSSURROS. PRENDER-TE DE TAL FORMA QUE NEM SEUS PENSAMENTOS DEIXARIAM O MOMENTO, PRENDE-LA EM MINHAS MÃOS, PRENDE-LA EM MEU CORPO, PRENDE-LA PELO DESEJO DO PRAZER, PRENDE-LA PELO SABOR, DA MINHA BOCA NA TUA... DOMINA-LA PARA TE SENTIR, POR DENTRO, O CALOR, O DESEJO,O LIBIDO... SENTIR TEU PULSO DISPARADO,, A RESPIRAÇÃO OFEGANTE PEDINDO E IMPLORANDO PELO AMOR, QUERIA DOMINA-LA AGORA, TEU PRAZER, TEUS SONHOS, TEUS PENSAMENTOS, E FINALMENTE, TEU CORPO.